Port Royal, card game de Alexander Pfister.

Em Port Royal, os jogadores assumem o papel de comerciantes na Jamaica, Mar do Caribe. No entanto, não se pode correr muitos riscos nessa negociação, pois é importante ganhar dinheiro para garantir favores dos governadores e almirantes, contar com a ajuda das “senhoritas”, contratar pessoas  (marinheiros, piratas, ladinos, comerciantes) para incrementar os negócios e também […]

Leia mais Port Royal, card game de Alexander Pfister.

Coleção Como Lidar, de J. A. Hazeley e J. P. Morris.

Finalizando o projeto relapsozinho-com-o-próprio-blog-da-Estrela, vou relatar minhas impressões sobre a leitura dos livrinhos politicamente incorretos da série Como Lidar, lançados pela Editora Intrínseca. São eles: Manual do usuário – A Esposa, Manual do Usuário – O Marido, O Hipster, Os encontros e A ressaca. Originalmente publicada na Inglaterra, a coleção, por lá, possui vários livros, […]

Leia mais Coleção Como Lidar, de J. A. Hazeley e J. P. Morris.

(Porque abandonei) Death Note, de Tsugumi Ohba e Takeshi Obata. (?)

Eis o meu relato sobre minha primeira leitura de mangás… ou pelo menos uma tentativa… Animes e mangás, diferentemente do @etiojunior que é obcecado, nunca foram meus passatempos favoritos, muito pelo contrário, quando era criança, eu sempre mudava de canal quando começava a passar um seriado ou desenho japonês na TV. Mas Deathnote me pareceu […]

Leia mais (Porque abandonei) Death Note, de Tsugumi Ohba e Takeshi Obata. (?)