[Maratona 💀] O Menino que Desenhava Monstros, de Keith Donohue [S02E05]

img_3826-1Chegamos ao fim de mais uma maratona Darkside! E o final é em grande estilo!

Mais um livro que faz o leitor pensar em muita coisa. Mais uma leitura que valeu muito a pena.

A expectativa foi superada, principalmente pelo final do livro.

Sinopse da Editora: aqui neste link!

Minha experiência:

Jack Peter, um menino de 10 anos, apelidado de Jip ou JP, é filho de Tim e Holly. A família é amiga da do menino Nick, da mesma idade, filho do casal Weller.

Jip sempre foi uma criança diferente, desde que a síndrome de Asperger, uma espécie de autismo, começou a apresentar os primeiros sintomas. No entanto, seu comportamento foi modificado desde o dia em que um grave incidente ocorreu quando ele tinha 7 anos. Ele se afogou no mar, junto com Nick, em um dia de diversão no quintal de casa.

Deste dia em diante ele se tornou recluso, desenvolveu agorafobia (medo de lugares abertos) e algumas obsessões. Sua mãe apelidou a casa de “a casa dos sonhos”, pois sempre tivera vontade de morar perto do mar. Mas a vida tratou de trazer as imperfeições. Ela uma advogada relativamente bem sucedida teve que sustentar a casa, enquanto que seu marido, sem uma formação, preferiu ficar cuidando de Jip e arranjou um emprego de caseiro para cuidar das casas de veraneio da vizinhança.

03-juliana-fiorese1.pngDaí já se pode inferir que há uma diferença entre os relacionamentos de Jip com o pai e com a mãe. Holly fica dividida entre seus sentimentos. Em certos momentos o leitor fica com raiva dela. Noutros, fica com dó devido a sua falta de habilidade em lidar com as situações. Isso é um reflexo do conflito da personagem, que não descobriu a melhor maneira de lidar com tantas responsabilidades. Tanto é que resolve procurar apoio na fé, procurando o vigário do local, ocasião em que conhece uma senhora japonesa, governanta no padre, e que resolve ajudar Holly a enfrentar a situação.

Nesse meio tempo, coisas estranhas começam a acontecer a assombrar a família de Jip, que recebe Nick para passar o feriado de Natal enquanto seus pais foram tentar consertar o casamento fazendo um cruzeiro. A família de Nick também tem seus problemas, mas isso é explorado de maneira apenas suficiente pelo autor.

É interessante como o autor cadenciou a obra, que começa sutil e vai crescendo à medida que os acontecimentos são revelados. A síndrome de Jip, na verdade, é uma questão acessória, mas que serve para deixar um incômodo na mente do leitor: existe maldade em uma criança? Ela tem consciência disso? Um problema como este pode interferir nos sentimentos e ações de um indivíduo, amplificando suas intensidades? Ou seria um distúrbio como esse uma rota de fuga? Até que ponto há consciência e vontade? Qual é o limite da inocência?

Enquanto não abandonarmos nossos medos e ressentimentos não encontraremos a saída do quarto escuro.

Além disso, ele fez com que não distinguíssemos a realidade da alucinação. Pois esta controla aquela. Um universo muito louco de se imaginar em nossa vida real.

O autor tratou o tema com muita sensibilidade, porém não é uma leitura inocente, pois contém temas do universo adulto. Temas graves.

Para quem espera um suspense na intensidade de “o sexto sentido”, este livro é um prato cheio. Coloque neste pacote um pouco de fantasia e terá uma idéia do que este livro é. Eu confesso que gosto mais do estilo de “Os Condenados”, que não tem elementos de fantasia, mas isso não desmerece nem um pouco a historia criada por Donohue.

O final deste livro é incrível: sutil mas repleto de significados. Apenas uma frase, mas que provoca um baque enorme no leitor.

ALERTA DE SPOILER

*Gostaria de saber de quem já leu o seguinte: Jack e Nick são irmãos? Se forem, tudo fica ainda mais grave!
Porque Holly suportou a traição de Tim? Ele não me passou uma ideia de uma pessoa que tinha muito a oferecer.
Havia um entendimento tácito entre as famílias sobre toda essa situação?
Não entendo como essas coisas “comunitárias” funcionam.*

Por fim, o que dizer das edições da Editora Darkside, não é mesmo? Até as pedras sabem que são livros com um excelente trabalho editorial. Tudo já foi dito sobre isso em outros posts.

Sobre o autor:

Keith Donohue é o autor do best-seller The Stolen Child, além de The Angels of Destruction e Centuries of June. Seus livros já foram traduzidos para mais de doze idiomas. O Menino que Desenhava Monstros chamou tanto a atenção do público que rapidamente teve seus direitos vendidos para o cinema. O autor, que tem Ph.D. em Inglês pela Catholic University of America, vive em Maryland. Saiba mais em keithdonohue.com.

Dica do tio: Super recomendo. Apenas isso! Ah, sim, não é assim um livro de terrooooooor… Mas é uma história cheia de suspense.

Nota: Não vou mais dar notas aqui no blog. Mas se você faz questão de ver as estrelas, pode visitar meus perfis no Skoob ou no Goodreads. Depois não diga que a culpa é delas.

Adquirido em: 10/07/2016.

Lido:  de 25 a 28/09/2016.

Formato: o bom e velho papel com cheiro de tinta.

Plataforma: minhas mãos!

Quanto paguei: Foi presente.

Editora/Selo: Darkside.

Livros relacionados: A Menina Má, Os Condenados, O Demonologista.

Anúncios

3 comentários em “[Maratona 💀] O Menino que Desenhava Monstros, de Keith Donohue [S02E05]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s