[Maratona ūüíÄ] A Menina Submersa: mem√≥rias, de Caitl√≠n R. Kiernan.[S02E04]

timthumb-phpSabe aquele livro que tem um ritmo fren√©tico? N√£o √© esse!

Sabe aquela hist√≥ria que tem um p√°√°√°√°√°! a cada cap√≠tulo? N√£o √© essa!

Sabe aquele livro que voc√™ nem pensa na possibilidade de abandonar? N√£o √© esse!

Sabe aquele livro que voc√™ n√£o quer que termine de t√£o bom que √©, e quando acaba surge aquele sentimento de perda? N√£o √© esse!

Sabe aquele livro que voc√™ termina de ler e pensa: WTF is that ( = di√°b√©isso, para quem n√£o foi educado em ingl√™s, como Sasha)? √Č esse!

Vamos parar de palhaçada brincadeira e falar sério, se isso é possível aqui no glorioso GN!

J√° havia lido antes que esta obra √© deshtruydorah mesmo divisora de opini√Ķes, ou os leitores a amam, ou a odeiam. Comecemos ent√£o pela sinopse da editora:

A Menina Submersa: Mem√≥rias √© um verdadeiro conto de fadas, uma hist√≥ria de fantasmas habitada por sereias e licantropos. Mas antes de tudo uma grande hist√≥ria de amor constru√≠da como um quebra-cabe√ßa p√≥s-moderno, uma viagem atrav√©s do labirinto de uma crescente doen√ßa mental. Um romance repleto de camadas, mitos e mist√©rio, beleza e horror, em um fluxo de arqu√©tipos que desafiam a primazia do “real” sobre o “verdadeiro” e resultam em uma das mais poderosas fantasias dark dos √ļltimos anos. Considerado uma “obra-prima do terror” da nova gera√ß√£o, o romance √© repleto de elementos de realismo m√°gico e foi indicado a mais de cinco pr√™mios de literatura fant√°stica, e vencedor do importante Bram Stoker Awards 2013.

Para ler o restante da sinopse clique aqui e aqui! (As sinopses da Darkside constumam ser muito compridas).

H√° controv√©rsias quanto aos termos “obra prima”, “magn√≠fica” e outros mais que s√£o citados nas sinopses que citei e outras presentes nos sites das livrarias virtuais. Mas vou detalhar melhor esses aspectos quando estiver descrevendo minha experi√™ncia de leitura. Primeiro vamos fazer aqui aquele resuminho sem spoilers importantes, juro.

As primeiras palavras da autora no in√≠cio do livro j√° d√£o a t√īnica do que o leitor vai encontrar. Eis o alerta:

Este livro é o que é, o que significa que ele pode não ser o livro que você espera que ele seja.

img_3479K√©diz√™… Leia e aprecie se for capaz.

Trata-se de um livro dentro de um livro. √Č a hist√≥ria que India Morgan Phelps, AKA Imp, escreveu sobre sua pira√ß√£o pessoal com assombra√ß√Ķes, fantasmas, sereias, lobos, artr√≥podos, etc… Esses fantasmas n√£o s√£o aqueles que conhecemos que fazem:

Buuuuuuuuuuuuuuuuu!

S√£o, na verdade, qualquer coisa, pois uma mente como a de Imp pode encarar como um monstro qualquer tro√ßo que a obceque: um quadro, uma m√ļsica, uma pessoa ou um artista (o t√≠tulo do livro √© uma alus√£o a um quadro hom√īnimo que √© citado na obra, de um pintor fict√≠cio).

O que apenas mostra as armadilhas fatais que construímos para nós mesmos quando criamos personalidades.

Imp, escritora e pintora (embora ela n√£o admita essa √ļltima atividade), herdou de sua m√£e e de sua av√≥ problemas psiqui√°tricos (esquizofrenia, obsess√£o, personalidades…) e tenta lidar com isso levando uma vida comum, com um emprego razo√°vel, que d√° para sustentar seu padr√£o de vida e seu tratamento. No entanto, ela convive com o medo de que aconte√ßa consigo o mesmo que aconteceu com suas parentas: pedir pra descer antes do ponto e com o ba√ļ em movimento. Isso mesmo, a m√£e e a av√≥ de Imp resolveram desembarcar dessa dimens√£o por conta pr√≥pria.

Mas a parte triste das janelas √© que a maioria delas abre para os dois lados. Elas permitem que voc√™ olhe para fora, mas tamb√©m deixam que alguma outra coisa que acontece olhe para dentro.

img_3493Um belo dia, num passeio corriqueiro, Imp se depara com um monte de coisas espalhadas na rua e resolve futricar e levar um livro que estava no monte para casa. S√≥ que surge a dona do bagulho todo e diz: “olhakikiridinha, quequec√™ t√° mecheno nas minhacoizatudo?”. Era Abalyn, que acabara de terminar seu relacionamento e meio que foi despejada de casa. Ent√£o Imp responde: “Melbayn, achado n√£o √© roubado merm√£! Mas como n√£o sou obrigada, vou deixar teu livro aqui! Mas vem c√°, contuntrem comigo, causdiqu√™ a senhora t√° fazeno quest√£o dessas porcaria toda?”. Abalyn explica tudo com cara de cachorro que caiu da mudan√ßa. Imp, fica com d√≥ e ent√£o responde: “Quenda tudo e vamos pra minha resid√™ncia, voc√™ pode montar acampamento l√°. Sossega a bacurinha que vou pegar o possante! P√©rainda!”.

E assim começa a história de amor entre Imp e Abalyn, que é uma gamer transexual e ganha a vida fazendo resenhas para uma revista especializada.

Mas tudo estava indo bem at√© que Imp, num de seus passeios, ouve o canto da sereia e resolve conferir. Ela d√° de cara com uma mulher nua, chamada Eva Canning, numa estrada pr√≥xima a um rio, e resolve acolh√™-la. Chegando em casa, Abalyn pergunta “Que porra √© essa, Imp? Voc√™ tem o h√°bito de achar as coisatudo na rua e trazer para casa? Devolve esse eb√≥!” Mas era tarde demais! Imp j√° estava “enfeiti√ßada”. A partir disso, tudo come√ßa a acontecer. E eu paro por aqui.

Gente morta, idéias mortas e supostamente momentos mortos nunca estão mortos de verdade e eles moldam cada momento de nossas vidas.

menina-submersa

Minha experiência de leitura:

N√£o √© uma leitura f√°cil. Narrada de maneira completamente insana, n√£o linear, acaba confundindo e cansando o leitor. Imp n√£o esgota um assunto antes de come√ßar outro e depois, sem terminar o segundo, come√ßa um terceiro, depois retoma um dos que ficou para tr√°s… e assim vai. E ainda existem inser√ß√Ķes no texto que deixam o leitor sem saber se quem est√° falando √© Imp ou Caitlin R. Kiernan. Em outros momentos n√£o h√° como identificar o que √© real, o que √© fantasia, o que √© del√≠rio, o que √© alucina√ß√£o… Muito confuso o babado todo.

O que mais tememos n√£o √© o conhecido. (…) Mas o desconhecido desliza atrav√©s de nossos dedos, t√£o insubstancial quanto o nevoeiro.

Claro que isso foi um artif√≠cio para tentar fazer com que o leitor se aprofundasse numa mente perturbada, pois Imp √© uma mulher doida do cu submersa em seu medo de que seus fantasmas e levem ao suic√≠dio. Mas ela, por outro lado, tem que lutar contra seus problemas psiqui√°tricos, lutar pelo seu relacionamento e isso a deixa numa sinuca de bico. O ponto positivo √© que ela n√£o teme e nem tem vergonha de sua hist√≥ria.

A História é escrava do reducionismo.

img_3478Imp n√£o √© uma narradora confi√°vel, e ela mesma faz esse alerta ao dividir a realidade entre o que √© verdadeiro e o que √© factual. Nem sempre o verdadeiro √© factual. Por√©m, ela praticamente escreve um tratado sobre isso e sobre outras coisas que poderiam ser explicadas apenas o suficiente para que o leitor entenda a refer√™ncia. Essas partes “did√°ticas” da obra tamb√©m cansam.

Demorei mais que o normal para terminar essa leitura, at√© pensei em abandonar, mas sou brasileiro e n√£o desisto nunca, pois √© uma trama arrastada, com cap√≠tulos longos e sem sobressaltos. A n√£o ser pelo cap√≠tulo 7 que reserva um momento completamente indescrit√≠vel. Assisti algumas resenhas e alguns leitores odiaram esse cap√≠tulo, mas eu digo que √© o √ļnico ponto alto da obra. Quanto ao final, s√≥ digo uma coisa: ūüėí.

Não há razão para ficar fora de casa à noite, sob o céu noturno, seu eu não puder ver as estrelas.

Mas nem tudo s√£o espinhos! Existem coisas legais na obra: as refer√™ncias musicais (inclusive algu√©m fez um grande favor de colecionar as m√ļsicas numa lista do spotfy) e aos anos 80, remiss√Ķes a contos de fadas, o cap√≠tulo 7 (quando a pira fica forte), a forma sublime, natural e tranquila como a transexualidade e o romance entre as duas foi tratado. √Č uma obra extremamente sinest√©sica e as sensa√ß√Ķes s√£o descritas com tanta intensidade que o leitor quase se sente como as personagens. E uma curiosidade: a autora, Caitl√≠n R. Kiernan √© uma mulher transexual. Ent√£o acho que tem muito dela em Abalyn.

Quem, morrendo no mar, pode ser levado num carro f√ļnebre?

Sobre a edição da Darkside:

capa-menina-submersa-limited-edition.png

Esse ponto j√° virou clich√™za√ßo: capa dura, bl√°, bl√°, bl√°… Alto relevo, bl√°, bl√°, bl√°… Livro lind√≠ssimo, bl√°, bl√°, bl√°… Corte cor-de-rosa, bl√°, bl√°, bl√°… Fitinha de cetim, bl√°, bl√°, bl√°… Errinhos de revis√£o, bl√°, bl√°, bl√°… E essa edi√ß√£o de colecionador (Limited Edition) ainda veio com um marcador de papel bem bonito e um encarte para colorir. S√≥ achei a fonte pequenininha.

“Independentemente do que foi ou n√£o foi, acabou”, datilografei, “e voc√™ escreveu para mim. Voc√™ sempre ser√° assombrada, mas acabou. Obrigada. Pode ir agora.” Imp datilografou. Eu datilografei.

Sobre a autora:

Caitl√≠n R. Kiernan (1964) √© autora de livros de fic√ß√£o cient√≠fica e fantasia dark, e paleont√≥loga. Escreveu dez romances, dezenas de hist√≥rias em quadrinhos e mais de 200 contos e novelas. Entre seus trabalhos, destacam-se os romances Silk (1998), Threshold (2001), ambos vencedores do International Horror Guild Award, e The Red Tree (2009); a s√©rie em quadrinhos The Dreaming, spin-off de Sandman, de Neil Gaiman, com quem tamb√©m escreveu a noveliza√ß√£o de Beowulf (2007). A Menina Submersa: Mem√≥rias conquistou os Pr√™mios Bram Stoker e James Tiptree, Jr., este dedicado a obras de fic√ß√£o cient√≠fica ou de fantasia que expandem e exploram a compreens√£o de g√™nero.

Dica do tio: N√£o √© um livro que se indique. N√£o √© uma leitura para qualquer um. Esteja com o esp√≠rito preparado para talvez enfrentar uma tormenta. Pode ser que voc√™ goste! √Č um terror psicol√≥gico e n√£o tem nada de conto de fadas. √Č diferente de tudo que j√° li at√© hoje, talvez seja o motivo do estranhamento.

Nota: N√£o vou mais dar notas aqui no blog. Mas se voc√™ faz quest√£o de ver as estrelas, pode visitar meus perfis no Skoob ou no Goodreads. Depois n√£o diga que a culpa √© delas.

Adquirido em: 13/05/2016.

Lido:  de 12 a 23/09/2016.

Formato: o bom e velho papel com cheiro de tinta.

Plataforma: minhas m√£os!

Quanto paguei: 29,58, na Amazon.

Editora/Selo: Darkside/Darklove.

Livros relacionados: 1Q84, Valis, Caixa de P√°ssaros, Onde Cantam os P√°ssaros, A Garota no Trem. 

An√ļncios

Sobre adsonamt

Advogado, servidor p√ļblico, leitor inveterado, decidi criar esse blog para curtir um per√≠odo sab√°tico escrevendo sobre o que gosto de fazer. Minhas paix√Ķes: livros, ch√°s, gatos, comida boa, m√ļsica, board games e seriados (n√£o necessariamente nesta ordem, depende da vibe do momento).

9 pensamentos sobre “[Maratona ūüíÄ] A Menina Submersa: mem√≥rias, de Caitl√≠n R. Kiernan.[S02E04]

  1. Cara, um livro psicod√©lico… quero muito. Ali√°s, esses livros da Darkside resenhados por vcs: ou s√£o mesmo bons como vcs falam, ou vcs ganham um por fora da editora para falar bem do livro. Hahahahaha.
    Acredito na primeira opção.
    Belo texto, parabéns.
    Abraço.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Pingback: Leituras de Setembro. | Guloseimas Nerds

  3. Pingback: TAG dos 100% – 2016. | Guloseimas Nerds

Deixe um coment√°rio

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Voc√™ est√° comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Voc√™ est√° comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Voc√™ est√° comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Voc√™ est√° comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s