O Demonologista, de Andrew Pyper.

demonologista-3d.pngO Demonologista é a história de um professor universitário🎓, especialista em um assunto, que conta com a ajuda de uma mulher💃 também muito inteligente🤓, para desvendar mistérios e ajudar a resolver um grande problema que pode mudar a história do mundo🌎, ou da humanidade ou de uma grande instituição…

Tio! Não! Espera! Mas este não é um livro de Dan Brown para trazer um Robert Langdon!!!

E não é! Mas é impossível não fazer a correlação! Então qual é a diferença?

A diferença é que David Ullman, ao contrário de Langdon, é um personagem muito mais denso, muito mais cheio de conflitos e a temática é algo mais intimista, mais espiritualista👼, mais introspectivo. Ullman é um homem fragilizado pela depressão, inseguro e traumatizado pelos percalços que a vida lhe impôs.

Tanto é que a narrativa é em primeira pessoa e relata a busca de um homem por si mesmo, e que, para isso, precisa lutar contra seus “demônios”. Assim, o livro não é uma história de terror, eu diria que é um thriller psicológico de suspense dramático (kkkkkk).

Vamos ao enredo, e espero não revelar muito da história.

David Ullman é um professor universitário que sabe tudo sobre o diabo😈, seja o da Bíblia ou aquele descrito na obra de John Milton. Não que ele acredite no capiroto👹, pois é ateu, cético, sem fé. No entanto, ele precisa desse conhecimento para sobreviver dando aulas na universidade sobre o assunto.

John Milton escreveu Paraíso Perdido, uma epopéia em poema na qual o ardiloso👺 possui um certo protagonismo. Esta obra serve como plano de fundo para a narrativa de Andrew Pyper, pois é onde se revelam as pistas para a busca de David Ullman.

David possui uma melhor amiga👯, a Elaine O’Brien, que é sua verdadeira alma gêmea👥, ou seu alterego ou sua consciência ou sua razão, que o acompanha sempre, mesmo em circunstâncias muito adversas – cada leitor verá essa amizade de uma forma.

Tudo corria razoavelmente anormal (sim, a vida de David nunca foi assim uma Brastemp), quando ele recebe uma visita de uma mulher misteriosa que vira pra ele e diz: “Olhakikiridjinho, eu sou rykkah e vim aqui te desaquendar uns bom aqué pra você ir dar pinta em Veneza e resolver um babado fortíssimo pra mim. Se joga!” 🙅lhe oferecendo um bom aqüé 💸💸💸 pra ele ajudar a desvendar um fenômeno sobrenatural em Veneza🛥, pra onde ele viaja com sua filha Tess e onde ocorre um evento que o faz mudar radicalmente o curso de sua vida.

Durante sua busca ele se depara com situações tanto quanto assustadoras💀👻👽 (não que cheguem a dar medo no leitor, mas como mexe com coisas do além…) que vão revelando pistas na obra de Milton. À medida que essas pistas são reveladas, ele se desloca por vários lugares, revisita seu passado e vive experiências surreais.

David é um homem sombrio em busca de si mesmo. Só que o caminho para que ele se encontre tem que passar necessariamente pela espiritualidade🙏, pela fé🙏, mesmo que ele não perceba (ou não queira admitir) isso. E esse caminho é tortuoso, envolve perdas que fariam qualquer outro no lugar dele fraquejar ou desistir. Mas ele persiste ou se rende? Depende de como cada leitor vai interpretar…

O ponto forte do livro são suas entrelinhas – elas, muitas vezes, dizem mais que o que está explícito -, uma linguagem cheia de metáforas e eufemismos. Além disso o autor usa e abusa dos sentidos (sinestesia): as cores👁, os cheiros👃, os toques👉, tudo tem um sentido e é retomado em algum outro ponto da obra. Tem que ficar atento a esses detalhes sensoriais para poder entender mais a fundo o enredo. Eu confesso que talvez seja necessário reler para perceber melhor esses detalhes.

No entanto, o enredo tem algumas falhas, algumas superficialidades, um lapso temporal ⏰pouco possível, mas isso não desmerece a qualidade e a maneira como o autor desenvolve esse suspense. Afinal são as lembranças do personagem principal que formam a história e, sabemos, que a memória do ser humano é tipo uma Wikipédia, meio imprecisa, meio truncada… Acho que isso pode explicar o que alguns apontam como um problema.

screenshot_2016_04_13T21_06_57-0300Infelizmente não pude aproveitar o trabalho fantástico❤️ que a editora Darkside fez no livro impresso, que conta com uma belíssima capa dura com texturas, algumas gravuras no interior do livro, uma diagramação muito bem feita, com uma lombada que imita livro antigo e uma fita de cetim para marcar páginas. Além de um bom conteúdo, serve para embelezar ainda mais sua estante. Mas o livro digital não deixa a desejar, pois também recebeu mais atenção do que as editoras costumam dedicar normalmente ao e-books. Um super ponto positivo para a Darkside, que está de parabéns.

Já soube que logo chega o filme📼 e estou ansioso para ver.

Depois que terminei a leitura fui pesquisar resenhas em blogs e no Youtube. Muita gente disse que não curtiu o final, mas eu achei sensacional! Ele dá margem a diversas interpretações, pois cada um faz uma leitura diferente do livro, de acordo com sua vivência, experiência, crença… Como já dito, o livro possui muitos eufemismos, muitas metáforas, e cada um as interpreta à sua maneira.

Muito detalhista, não dá pra focar apenas em sua superfície, é preciso mergulhar em suas entrelinhas por meio das metáforas, dos eufemismos e das sinestesias que compõem a história do narrador-personagem.

Apesar de ter começado a leitura com a expectativa de encontrar uma história efetivamente de terror, o livro não me decepcionou nem um pouco. É preciso entender a história de vida de Ullman e mergulhar na sua mente, no seu imaginário para entender seus subterfúgios e justificativas. Talvez o leitor que assim o fizer, se surpreenda com suas próprias conclusões. Este é o verdadeiro charme desta obra!

Talvez agora eu revele mais do que deveria, não sei se chega a ser um spolier. Se o leitor deste post não quiser saber mais antes de ler O Demonologista, sugiro que volte aqui depois de ler para saber a minha impressão.

Se quiser ler o spoiler selecione com o mouse o trecho abaixo…

*Pra mim o final foi a consumação de um fato: a morte. Seja ela a morte física (quando o trem vai para “debaixo da terra”, e ele sentindo o cheiro característico da morte exalando do corpo da filha, o trem com destino ao “outro lado do rio”…), ou seja ela a morte social, pois ele nunca teve uma família, um lar, pois sua mãe morreu prematuramente, seu pai e seu irmão morreram em circunstâncias horripilantes, seu casamento acaba, sua melhor amiga fica doente terminal e ele ainda perde o que lhe resta de melhor, a filha (que, para mim, representa a sua fé, sua espiritualidade). Quando David se reconhece e (re)encontra a sua fé, a ele não importa mais estar vivo ou morto, mas sim pleno.*

Conselho do tio: NÃO é um livro de terror! Não mergulhe na leitura com essa expectativa para não se frustrar! Não espere exorcismos, monstros vindos do além, pesadelos, Jason, Jack Estripador, Freddy Krueger, Chuck… A parada está mais para o estilo de “o sexto sentido”, ou “os outros”, uma coisa mais voltada ao sobrenatural (espiritualmente falando).

Nota: 4,5/5,0 (Super recomendado).

Adquirido em: 23/11/2015.

Lido de 07 a 12/04/2016.

Formato: e-book.

Plataforma: Kindle.

Quanto paguei: R$6,72, na Amazon.

Livros relacionados: Valis, de Philip K. Dick, pela mistura de psicologia e religião, mas O Demonologista não chega a ser alucinógeno.

Anúncios

12 comentários em “O Demonologista, de Andrew Pyper.

  1. Acredito que o grande problema das pessoas que dizem não ter gostado do livro é que estão esperando um livro de terror, que vai causar medo, pavor e deixar a pessoa sem dormir a noite… Também considero o livro como o suspense psicológico e gostei bastante dele. As brechas na qual você falou foi o que me levou a não dar 5 estrelas pra ele em minha classificação.
    Adorei sua resenha. Beijokas
    Thaisa Lima
    Minha Contracapa

    Curtido por 1 pessoa

  2. Sua resenha ficou ótima, meu caro amigo e merece os meus parabéns.
    Concordo contigo quanto aos furos na história e quanto ao livro ser apenas um suspense (fraquíssimo, por sinal). Me decepcionei tanto, a ponto de não querer ler mais nada deste autor .
    Um grande abraço.
    Alex André

    Curtir

  3. Boa tarde!
    eu gostaria de saber em que momento você acha que ele morreu?porque eu não consegui perceber, outra coisa já que supostamente ele esta morto pq os braços de O´brin atravessam ele, fazendo a intender que ela esta morta, o que eu acredito, é que tess esta morta, e ele não esta mais treinado para não ver os mortos e demônios como diz no livro, pq até mesmos a unica coisa que poderia ter levado a morte, foi a hemorragia, mas antes disso ele ja via fantasmas de seu pai e seu irmão no episodio que se passou no rio antes dele perder o dedo. se quiser falar do livro pelo zap 11970479414

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s